Falta de fiscalização e irresponsabilidade ameaçam a segurança de banhistas

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
10931363_619076411554122_8474373645049621737_n

Moto aquática entre banhistas na Lagoa de Itaipu (Divulgação / Paulo Oberlander)

Em Niterói, aproximadamente 80 militares qualificados atuam na Operação Verão, se revezando na atividade e em pontos estratégicos das areias.

Com a expansão do contingente, os banhistas niteroienses têm mais segurança à beira da orla da cidade. Isso foi o que garantiu a assessoria da Capitania dos Portos. Mas não é bem isso que se tem visto nas praias da cidade.

capa flu

Capa do jornal O Fluminense denuncia abuso e perigo em Itacoatiara

O jornal O Fluminense estampou em sua capa no sábado, dia 10 de janeiro, uma foto de algumas motos aquáticas navegando próximas a crianças na beira da Praia de Itacoatiara, uma das mais procuradas da cidade.

Menos de uma semana depois, o problema se repete, dessa vez, mais grave. A leitora Vania Miranda compartilhou numa rede social fotos de duas lanchas próximas a areia de Itacoatiara ontem (14), por volta das 19h e disse:

– Niterói acabará sendo noticia de acidente trágico em Itacoatiara. Prefeitura de Niteroi, pelo amor de Deus, solicite que a Capitania fiscalize com rigor. Está vergonhoso a falta de responsabilidade e a falta de fiscalização. Ninguém quer ver Niterói sendo palco de tragédia.” alertou.

Embarcações próximas a banhistas na praia de Itaipu (Divulgação / Vania Miranda)

O internauta Paulo Oberlander publicou em seu perfil do Facebook fotos de moto aquática trafegando livremente entre banhistas na lagoa de Itaipu.

10906332_619007281561035_6221770827051158120_n

Marinha do brasil intercepta moto aquática em Itacoatiara. Abusou continuam (Divulgação / Paulo Oberlander)

No mesmo perfil é possível ver a fiscalização da Marinha do Brasil interceptando uma moto aquática já em Itacoatiara dias após a denuncia do jornal O Fluminense. Já na praia de Itaipu e na Lagoa de Itaipu não há registros de fiscalização.

Capitania

Em nota, a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) – após o caso das motos aquáticas serem denunciado no Jornal O Fluminense -, esclareceu que a fiscalização de embarcações de esporte e recreio, incluindo as motos aquáticas, ocorre por meio de Ações de Fiscalização do Tráfego Aquaviário, durante as quais, equipes de inspetores lotados em embarcações e viaturas desta capitania, abordam condutores de motos aquáticas e lanchas, visando à segurança da navegação, segurança dos banhistas e prevenção da poluição hídrica.

A Capitania solicita ainda na nota, que todas as pessoas que flagrarem qualquer embarcação em atitude que comprometa a segurança de terceiros, que realizem o registro fotográfico da embarcação, possibilitando a identificação no banco de dados da Capitania, sujeitando os condutores à legislação pertinente.

A Capitania dos Portos disponibiliza o e-mail: ouvidoria@cprj.mar.mil.br e o Disque-Denúncia CPRJ (21) 2104-5480, que funciona 24 horas por dia, para prestar atendimento em qualquer situação que represente risco.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

You may also like...