Greve dos bancários tem 100% de adesão em Niteroi e região

  •  
  •  
  •  
  •  

Bancários iniciam greve por tempo indeterminadoA greve dos bancários em Niterói teve adesão de 100% da categoria no primeiro dia do movimento iniciado ontem. Segundo o Sindicato dos Bancários de Niterói e região, cerca de 238 unidades não funcionaram e quatro mil bancários cruzaram os braços.

O primeiro dia foi marcado pela tranqüilidade. Nenhum incidente foi registrado nos municípios de Niteroi, São Gonçalo, Itaboraí, Silva Jardim, Rio Bonito, Casimiro de Abreu, Tanguá, Maricá, Saquarema, Araruama, Iguaba Grande, Arraial do Cabo, São Pedro d’Aldeia, Cabo Frio, Armação de Búzios e Rio das Ostras. A direção do sindicato garante que durante todo o movimento todas as agências permanecerão fechadas até que os banqueiros apresentem uma proposta que contemple os anseios da categoria.

“Iniciamos mais uma greve com 100% de adesão e todas as agências. A força da nossa categoria quando mobilizada repercute nacionalmente e nos permite conquistar avanços. O Sindicato de Niterói sempre esteve na vanguarda dos movimentos grevistas. Somos um dos poucos que conseguem uma adesão de 100% numa base territorial tão extensa quanto a nossa. O movimento vai continuar sem dia para terminar. Estamos nas portas dos bancos orientando a população. Reitero que vamos manter a escala de atendimento aos aposentados e pensionistas a partir desta quarta-feira como fazemos em todas as greves. Contamos com o apoio da população que, muita das vezes, não conhece o sofrimento vivido pelo bancário no seu cotidiano de trabalho”, destaca Heber Mathias Neto, Secretário de Imprensa do Sindicato.

O que para e o que funciona

Apenas as agências não estão funcionando como os caixas de atendimento e seções comerciais e gerenciais. Caixas eletrônicos, serviços de teleatendimento e centros administrativos continuam funcionando.

Proposta rejeitada

A greve a partir do dia 30 foi decidida em assembleia realizada em 25 de setembro, quando a categoria rejeitou reajuste de 7% de reajuste de 7% para os salários e verbas e de 7,5% para o piso propostos pela federação dos bancos (Fenaban).

Diante do expressivo número de trabalhadores nas assembleias em todo o país, a Fenaban marcou nova negociação para o último sábado 27 quando fez nova oferta ao Comando Nacional dos Bancários: 7,35% (0,94% de aumento real) de reajuste para salários e verbas e 8% (1,55% de aumento real) para o piso.

Considerada insuficiente, essa segunda proposta foi rejeita por unanimidade em assembleia realizada na segunda 29, na qual mantida a decisão de início da greve e organizado o movimento.

As principais reivindicações dos bancários

Reajuste salarial de 12,5%.

Piso Salarial de R$ 2.979,25

PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247.

14º salário.

Vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

Gratificação de caixa: R$ 1.042,74.

Gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.

Vale-cultura: R$ 112,50 para todos.

Fim das metas abusivas.

Combate ao assédio moral.

Isonomia de direitos para afastados por motivo de saúde.

Manutenção dos planos de saúde na aposentadoria.

Emprego: fim das demissões e da rotatividade, mais contratações, proibição às dispensas imotivadas como determina a Convenção 158 da OIT, aumento da inclusão bancária e combate às terceirizações.

Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

You may also like...