Inverno requer reforço na prevenção contra a gripe

perguntas-e-respostas-sobre-a-gripe

Clique para ampliar

Com o início do inverno nesta semana, aumenta a vulnerabilidade para o contágio por infecções da gripe. Por isso, é importante redobrar os cuidados para prevenir a doença. De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, de janeiro até 6 de junho deste ano, foram notificados 5.411 casos de infecção por influenza, que resultaram em 979 mortes.

Prevenção

Para reduzir o risco de contaminação, o Ministério da Saúde recomenda que se coloque em prática a “etiqueta respiratória”. A conduta consiste em lavar as mãos principalmente antes da refeições, cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir, não compartilhar itens de uso pessoal, como copos e talheres, e manter os ambientes ventilados.

Sintomas

Os principais sinais de gripe são febre alta, dores musculares, dor de garganta, dores de cabeça, coriza e tosse seca. Em geral, o primeiro a se manifestar é a febre, que dura cerca de três dias. Em seguida, aparecem os sintomas respiratórios, que permanecem por mais cinco dias. Durante esse período, a transmissão ocorre por meio das secreções da pessoa infectada e o contato com superfícies contaminadas.

Se esses sinais se agravarem e evoluírem para dificuldade de respirar, lábios arroxeados, dor no abdômen ou no peito, tontura, vômito ou até convulsões, deve-se procurar um pronto-socorro para atendimento. Nesses casos, é preciso buscar ajudar para evitar que complicações da gripe não se tornem uma pneumonia, por exemplo.

Tratamento

Em casos de gripe, os sintomas podem ser tratados. Para amenizar os efeitos da infecção, o Ministério da Saúde recomenda a ingestão de água, alimentação leve e repouso, além de medicação anti-gripal com orientação médica. O Sistema Único de Saúde (SUS) ainda distribui o fosfato de oseltamivir, que é um antiviral que deve ser tomado até 48 horas depois do aparecimento dos sintomas.

 

Vacinação

gripe2Entre abril e maio deste ano, 49,9 milhões de pessoas foram imunizadas contra os principais tipos do vírus influenza em circulação. O total extrapolou a meta do Ministério de vacinar 49,8 milhões de pessoas que faziam parte do público alvo, no qual estão incluídas mulheres grávidas, idosos, crianças até dois anos e pessoas com doenças respiratórias crônicas, cardiopatias e diabetes.

Em 2016, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou que fossem produzidas vacinas contra o influenza A (H1N1 e H3N2) e B, mais frequentes no hemisfério sul. Esses dois tipos são os principais causadores de epidemias. Até o momento, não há previsão para antecipar a campanha no ano que vem, pois a análise dos principais tipos de vírus no ar só começa no segundo semestre. Neste ano, a campanha começou mais cedo em alguns Estados, como São Paulo e Pará, por causa das novas notificações de contágio por H1N1.

A campanha ocorre antes do período mais crítico (outono e inverno) de contaminações para que a população possa desenvolver anticorpos até a época de maior circulação do vírus influenza. A ideia é reduzir o agravamento da doença. Cerca de três semanas após a vacinação já é possível verificar a presença dos anticorpos. A proteção é eficaz de seis meses até um ano. Por isso, é importante se vacinar todos os anos.

Segundo o Ministério da Saúde, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

You may also like...