Itaboraí: Helil Cardozo irá se reunir com a Petrobras

  •  
  •  
  •  
  •  



Itaboraí: Helil Cardozo irá se reunir com a Petrobras Com o objetivo de buscar soluções para os trabalhadores desempregados do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), que moram nos municípios do leste fluminense, o prefeito de Itaboraí e presidente do Conleste, Helil Cardozo, se reuniu ontem com sindicalistas, representantes da Petrobras e secretários municipais. A reclamação é de que as empresas que prestam serviços para a estatal estão utilizando mão de obra do norte, nordeste e São Paulo, em detrimento dos profissionais capacitados da região.

No encontro, realizado na sede do Sine (Sistema Nacional de Emprego) de Itaboraí, ficou acertado que na próxima sexta-feira, dia 7/11 ( horário e local ainda não definidos), o prefeito Helil Cardozo e presidentes dos sindicatos dos trabalhadores se reunirão com o gerente geral do Comperj, Valter Shimura e diretores das empresas que prestam serviços à Petrobras.

“Vamos solicitar mais uma vez, aos empresários, que contratem profissionais qualificados da nossa região. Não somos contra a admissão de trabalhadores de outros estados, nós também temos excelente mão de obra nos 15 municípios que formam o Conleste (Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Leste Fluminense) e que pode ser aproveitada”, garantiu Helil.

Representando a Câmara Municipal de Itaboraí, o vereador Irmão Caio, falou que o legislativo enviou requerimento à Petrobras solicitando uma reunião para tratar do assunto, mas nada aconteceu até agora. Daniel Rocco, gerente da Petrobras junto ao Comperj, presente ao encontro, falou da necessidade do diálogo, mas lembrou que a Petrobras não pode intervir nas empresas.

“A Petrobras não pode obrigar as empresas a contratarem mão de obra local. No encontro da semana que vem, vamos sensibilizar os empresários a admitirem profissionais capacitados da região. A Petrobras tem parcerias com o Estado e Municípios na formação de mão de obra qualificada”, disse o representante da estatal.

“A estatal como ordenadora de despesas tem poder de convencimento sobre as empresas contratadas. O custo da mão de obra é o mesmo, então não vejo razão para que sejam trazidos profissionais de outras regiões do país”, destacou o secretário de Governo de Cachoeiras de Macacu, Vitor Ivo, que representava o prefeito Cica Machado.

Acompanhando o prefeito de Itaboraí, os secretários municipais de Trabalho e Renda, Aleksander Santos; de Indústria e Comércio, Luiz Fernando, frisaram que a prefeitura vem agilizando a emissão de alvarás e que intensificará a fiscalização nas empresas contratadas para prestar serviço ao Comperj.

O sindicalista Manoel Vaz Lima, lembrou que em fevereiro de 2012, a presidenta Dilma Rousseff assinou instrução normativa garantindo um indicativo de 70% da contratação de mão de obra local.

You may also like...