Itaboraí oferece mais de mil vagas para capacitação

  •  
  • 29
  •  
  •  
    29
    Shares

cursoA Secretaria de Trabalho e Renda de Itaboraí, por meio do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), oferece 1.050 vagas gratuitas em cinco cursos de capacitação do programa Projovem Trabalhador. As aulas têm seis meses de duração, nas quais os alunos aprendem noções básicas nos setores de administração, construção, alimentação, turismo e estética. As inscrições estão abertas, e a meta do projeto é inserir pelo menos 30% dos formados no mercado de trabalho.

Ao todo, são 150 vagas em administração (arquivista, almoxarife, auxiliar administrativo e contínuo), 400 em construção e reparos (ladrilheiro, gesseiro, pintor e reparador), 200 em alimentação (chapista, cozinheiro auxiliar, repositor de mercadoria e vendedor), 225 em turismo e hospitalidade (auxiliar de garçom, guia de turismo local, organizador de eventos e recepcionista de hotéis) e 105 em beleza e estética (cabeleireiro, depilador, manicure e pedicure e maquiador).

Para se inscrever, é necessário ter entre 18 e 29 anos e ser morador de Itaboraí. Interessados devem procurar a sede do Instituto Social Brasil Novo, na Praça Marechal Floriano Peixoto, 259, no Centro de Itaboraí. Todos os que completarem os cursos receberão certificado de conclusão. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 2717-9482.

Leonardo Amando, subsecretário de Trabalho e Renda de Itaboraí, avalia que o Projovem Trabalhador oferece um leque de oportunidades.

“Dentro do convênio com o Ministério do Trabalho e Emprego, temos a meta de inserir 30% dos formados no mercado de trabalho. Das 360 horas/aula oferecidas, 100 delas são comuns a todos os cursos, com um currículo de formação social que inclui aulas de filosofia, ética, processamento de dados, entre outros. O programa oferece ainda uma ajuda de custo de R$ 100, material didático e lanche”, informa o subsecretário.

Beleza e estética

curso1Para a professora de beleza e estética, Eliana Amaral, os alunos sairão do curso capacitados a exercer qualquer profissão dentro de um salão de beleza. “Acredito que este é o primeiro passo para a profissionalização na área de beleza. E como a maioria dos alunos é mulher, todas acabarão contribuindo para aumentar a renda familiar. Também dá chance para aquela mãe com filho pequeno conciliar o trabalho com as tarefas do lar, já que pode atender seus clientes em casa”, ressalta a professora de beleza e estética.

Há dois meses no curso de Beleza/estética, Rafaela Bernardino Custódio, de 27 anos, diz que assim que terminar o curso quer abrir o seu próprio negócio. “Além de conhecimento adquirido, este curso do Projovem está servindo de estímulo para continuar me aprimorando”, revela a jovem que é moradora de Cabuçu. Colega de turma, a babá Beatriz da Conceição Cortez, de 20 anos, moradora de Apolo III, diz que é uma oportunidade de trocar de profissão sem custo. “Este curso surgiu em uma boa hora, já que não teria dinheiro para pagar um particular. Inicialmente pretendo trabalhar em um salão de beleza para pegar experiência, mas quero montar o meu próprio negócio em um futuro bem próximo”, revela a babá.

Natane Lourenço da Silva, de 19 anos, de Papucaia, quer ser depiladora. “Estou aprendendo diversas técnicas na área de beleza, mas minha ideia é me focar na área de depilação. Este curso está sendo uma chance única para mim”, avalia a jovem. Katia Elen Rodrigues de Marins, de 19 anos, já atua informalmente como cabeleireira na casa da mãe há um ano. “ Hoje mantenho um salão improvisado, em Venda das Pedras, na casa de minha mãe onde era o meu quarto antes de eu casar. Entrei neste curso do Projovem para me aperfeiçoar e também aprender a fazer depilação e maquiagem. Funções que não tenho nenhuma experiência”, comenta a cabeleireira.

Daiane Soares, de 23 anos, diz que pretende ser uma profissional de beleza completa. “Minha ideia é estar apta a atender todas as demandas de um salão. Já até tenho espaço na frente de minha casa para construir o meu negócio. Meu projeto de futuro já está pronto. Só falta por em prática”, afirma a aluna. Já Liliana Pereira, de 20 anos, quer ser maquiadora. “Já faço maquiagem em casa para amigas e parentes, mas nunca tinha feito um curso. Portanto, não tinha a técnica. Após a formação quero atuar no mercado de casamentos”, planeja a maquiadora que mora em Curuzu.

You may also like...