Livro retrata intolerância e religiosos cobram plano de combate à violência

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Há mais de um ano, uma menina de 11 anos, praticante do candomblé, no Rio de Janeiro, ficou conhecida após ter sido apedrejada na cabeça e insultada por homens que portavam Bíblias e que, supostamente, pertencem a seitas cristãs evangélicas ou neopentecostais. Mais recentemente, no último sábado (14), um homem foi detido por depredar santos da Catedral São João Batista, em Niterói.

Casos de intolerância religiosa como esses que culminaram em ofensas, agressões e depredações crescem ano a ano e exigem uma ação coordenada do Poder Público. Essa é a conclusão da publicação Intolerância Religiosa no Brasil – Relatório e Balanço, lançado esta semana, às vésperas do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, lembrado hoje (21).

O estudo foi coordenado pelo Laboratório de História das Experiências Religiosas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em parceria com o Centro de Articulação das Populações Marginalizadas (Ceap) e a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) — formada por representantes de várias crenças, do Ministério Público, do Tribunal de Justiça do Rio e da Polícia Civil.

Em mais de 160 páginas, a publicação reúne números de denúncias compilados por serviços de governo como o Disque 100 Direitos Humanos, artigos científicos com diagnóstico do problema no país e uma proposta de plano nacional para enfrentar o problema. No início de 2016, um documento com esse teor começou a ser articulado pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), hoje vinculada ao Ministério da Justiça, mas não foi concluído.

Entre 2001 e 2015, o país registrou 697 casos de intolerância religiosa. Depois de atingir um pico em 2013, com 201 episódios, o número quase dobrou de 2014 para 2015, passando de 149 casos para 223. Alguns relatos, como o da menina de 11 anos agredida no Rio, de crianças judias ofendidas em um clube na zona sul carioca e de uma mulher muçulmana apedrejada na perna, na periferia de São Paulo, são analisados na publicação. O documento também aponta que vizinhos, professores e familiares estão entre os agressores mais comuns.

De acordo com um dos organizadores da publicação, o babalawô Ivanir dos Santos, doutorando em história comparada pela UFRJ e interlocutor da CCIR, o enfrentamento à discriminação exige respostas do Executivo federal, estadual e municipal, legislativos e do Judiciário, como determinam acordos internacionais ratificados pelo Brasil e o Estatuto da Desigualdade Racial, de 2010.

“Primeiro, tem que tipificar a intolerância religiosa como crime, depois, ampliar medidas educativas”, afirmou.

Ivanir defende a aplicação universal da Lei 10.639, que obriga o ensino da história e culturas africanas e afro-brasileiras nas escolas. “Essa é a única saída para entender as outras culturas e respeitar o próximo. Porém, essa lei tem dificuldade de andar porque sofre grande perseguição de neopentecostais e de racistas”, afirmou.

Para fomentar a discussão do plano nacional, o livro Intolerância Religiosa no Brasil – Relatório e Balanço resgata uma proposta apresentada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, em 2013, com ações nas áreas de segurança, trabalho e educação, por exemplo.

Escola perpetua intolerância

A discussão do tema na escola —que foi tema de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2016— é uma das recomendações da publicação.

A hipótese é de que a educação tem falhado na formação de profissionais e que o atual modelo de ensino, material didático e currículos escolares deixam a violência passar despercebida, na análise da pesquisadora do Laboratório de Experiências Religiosas da UFRJ Juliana Cavalcanti. Os dados, diz, “têm demonstrado que nossas unidades de ensino, além de apresentarem um silêncio no quesito religiosidade, são também ambientes onde se manifesta o desrespeito”.

Programas de TV

Para combater a intolerância, o estudo também cobra que o Ministério Público denuncie programas de televisão e de rádio que incentivem o ódio ou a discriminação a religiões. Outra reivindicação é que o Ministério das Comunicações puna com multa emissoras e retire programas do ar e que proíba patrocínio de órgãos e estatais a veículos com esse tipo de conteúdo.

“Quando uma pessoa tem a atitude de jogar uma pedra em uma menina ou de quebrar um santo da Igreja Católica, aquela não é uma atitude individual. A pessoa ouviu aquilo na igreja [que frequenta] e ouviu sua liderança falar nos meios de comunicação, demonizando alguns setores. Em algum momento, a emoção disparou e a pessoa fez o que fez”, avaliou Ivanir. Ele lembrou que concessões de rádio e TV são públicas e devem ser fiscalizadas. “O Poder Público tem sido omisso.”

Por EBC

You may also like...

7 Responses

  1. I happen to be writing to let you understand of the fantastic experience my wife’s girl had reading through your web page. She realized plenty of issues, including how it is like to possess a very effective giving mindset to have folks very easily thoroughly grasp a number of specialized issues. You undoubtedly did more than her expectations. Many thanks for offering those informative, trusted, educational and even unique tips on the topic to Emily.

  2. A powerful share, I just given this onto a colleague who was doing a little bit analysis on this. And he actually bought me breakfast because I found it for him.. smile. So let me reword that: Thnx for the deal with! However yeah Thnkx for spending the time to discuss this, I really feel strongly about it and love studying extra on this topic. If possible, as you change into expertise, would you thoughts updating your weblog with extra particulars? It’s highly helpful for me. Huge thumb up for this blog publish!

  3. Can I just say what a aid to find somebody who truly knows what theyre talking about on the internet. You undoubtedly know the way to bring a problem to mild and make it important. Extra folks need to learn this and perceive this side of the story. I cant imagine youre not more common because you definitely have the gift.

  4. Would you be all in favour of exchanging hyperlinks?

  5. Nice post. I learn something more challenging on different blogs everyday. It will all the time be stimulating to read content material from other writers and practice a bit of one thing from their store. I抎 want to make use of some with the content on my weblog whether you don抰 mind. Natually I抣l provide you with a link on your internet blog. Thanks for sharing.

  6. I wish to express thanks to the writer for bailing me out of this challenge. Just after checking through the world-wide-web and finding proposals which were not powerful, I was thinking my life was gone. Being alive without the presence of approaches to the issues you have resolved by means of this review is a serious case, and ones that might have in a wrong way affected my career if I had not noticed your web site. Your good natural talent and kindness in playing with every aspect was important. I don’t know what I would’ve done if I hadn’t come upon such a subject like this. I’m able to now look forward to my future. Thanks so much for the expert and sensible guide. I won’t be reluctant to endorse your site to anyone who requires assistance about this problem.

  7. Aw, this was a very nice post. In idea I would like to put in writing like this moreover ?taking time and actual effort to make an excellent article?but what can I say?I procrastinate alot and certainly not seem to get something done.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *