Novo Getulinho completa 20 mil atendimentos

  •  
  •  
  •  
  •  
O novo Getulinho está adaptado aos protocolos de classificação de risco determinados pelo Ministério da Saúde (Alexandre Vieira/PMN)

O novo Getulinho está adaptado aos protocolos de classificação de risco determinados pelo Ministério da Saúde e segue as recomendações da Política de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS)  (Alexandre Vieira/PMN)

Inaugurada no dia 1º de julho, a nova emergência pediátrica do Hospital Getúlio Vargas Filho, o Getulinho, completou, esta semana, 20 mil atendimentos. A unidade, que fica no Fonseca, Zona Norte da cidade, é referência no atendimento de crianças e adolescentes até 17 anos e 30 dias. Foram investidos R$ 20 milhões na reforma, ampliação e compra de mobiliário e equipamentos para as novas instalações.

De acordo com um levantamento do hospital, são realizados, em média, 185 atendimentos por dia na nova emergência – por mês, são 5.500. Cerca de 65% dos pacientes são de Niterói; 30%, de São Gonçalo; e 5%, de outros municípios, como Maricá, Itaboraí, Cabo Frio e Saquarema.

“Tivemos um aumento significativo no número de atendimentos após a inauguração da nova emergência”

“Tivemos um aumento significativo no número de atendimentos após a inauguração da nova emergência. O Getulinho hoje tem 35% de pacientes de outros municípios, o que mostra a confiança não só dos moradores de Niterói, mas como de outros municípios na Região Metropolitana. Em um momento de crise no Estado, especialmente na Saúde, Niterói se destaca por estar investindo na área”, afirma a secretária municipal de Saúde, Maria Célia Vasconcellos.

Funcionária de um abrigo para crianças, Luziene Coutinho acompanha, há 15 anos, os pequenos no atendimento médico e presenciou as diversas fases da unidade. Ela conta que ficou surpresa quando entrou pela primeira vez nas novas instalações.

“Venho quase todo dia, com uma criança diferente. Alguns fazem tratamento ambulatorial, outros são atendidos na emergência. O atendimento é ótimo, a equipe é atenciosa. E, com a reforma, o hospital está maravilhoso, mais limpo, e dá mais conforto para as crianças e para os acompanhantes. Agora está VIP”, elogia Luziene.

São realizados, em média, 185 atendimentos por dia na nova emergência – por mês, são 5.500 ( Alexandre Vieira/PMN)

São realizados, em média, 185 atendimentos por dia na nova emergência – por mês, são 5.500 ( Alexandre Vieira/PMN)

A emergência do Getulinho foi fechada em 2011 e reaberta em janeiro de 2013, logo assim que a nova gestão assumiu a Prefeitura de Niterói. Em um primeiro momento, a assistência médica aconteceu em um hospital de campanha, que realizou 25 mil atendimentos em quase cinco meses. Depois, o atendimento passou para a emergência provisória, que realizou todos os serviços de urgência e emergência durante a construção da nova unidade. Cerca de 415 mil atendimentos já foram realizados no local desde a reabertura, em 2011.

Há quatro anos, desde que a família se mudou para Niterói, os irmãos gêmeos Ryan e Lohann recebem assistência médica no Getulinho. A mãe, Jéssica de Freitas, explica que em todas as ocasiões, mesmo nas instalações provisórias, nunca teve problemas com o atendimento.

“[O atendimento] pode demorar um pouco mais quando tem muitas pessoas, já que as crianças recém-nascidas, com febre, ou estado mais grave, têm preferência. Os maiores, que estão sem febre, e que podem esperar, ficam na fila. As novas instalações estão maiores, as cores e os brinquedos distraem as crianças, o espaço para brincar permite que elas corram um pouco e fiquem menos ansiosas. Melhorou muito”, opina Jéssica.

Uma das mudanças implantadas na nova unidade foi o sistema de classificação de risco. Os pacientes são atendidos em um dos dois consultórios de classificação de risco, onde um enfermeiro afere a pressão arterial, glicose e temperatura, analisa os sintomas das crianças e define a ordem do atendimento de acordo com a necessidade.

A cor vermelha indica emergência, caso gravíssimo, com necessidade de atendimento imediato e risco de morte. A cor amarela é para casos muito urgentes, graves, com risco significativo de evoluir para morte e que exige atendimento urgente. O verde significa urgente para casos de gravidade moderada, com necessidade de atendimento médico, mas sem risco imediato. Já o azul é pouco urgente, para atendimento preferencial nas unidades de atenção básica.

Estrutura

A emergência possui duas salas de espera, sendo uma para recepção e outra para espera do atendimento médico, dois consultórios para classificação de risco, quatro consultórios médicos, sala de atendimento com 12 leitos, divididos de acordo com a classificação de risco amarela, vermelha e observação individual (isolamento), sala de medicação e inalação, sala de sutura, sala de curativo, sala de raios X, sala de estar para acompanhantes, sala de atendimento familiar, além de duas salas de apoio técnico e administrativo e duas salas de repouso para plantonistas.

O espaço foi planejado seguindo as normas de acessibilidade, com banheiros adaptados para portadores de necessidades especiais e elevador

O espaço foi planejado seguindo as normas de acessibilidade, com banheiros adaptados para portadores de necessidades especiais e elevador. São 2.500 metros quadrados de área construída.

O novo Getulinho está adaptado aos protocolos de classificação de risco determinados pelo Ministério da Saúde e segue as recomendações da Política de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS).

You may also like...