Projeto Botinho conclui mais uma edição no Piscinão de SG

  •  
  •  
  •  
  •  



Rogério Santana / Governo do Estado

Rogério Santana / Governo do Estado

O tempo nublado não foi motivo para desanimar os alunos participantes do projeto Botinho, que estiveram no encerramento na sexta-feira (29/1), no Piscinão de São Gonçalo. O local, uma das instalações esportivas da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, é uma das sedes da colônia de férias do Corpo de Bombeiros, que acontece uma vez por ano. Após duas semanas seguidas de curso, o projeto chegou ao fim com uma confraternização à beira do Piscinão, onde os alunos receberam um certificado de participação e ainda demonstraram o que aprenderam ao longo do período.

Em seu quinto ano consecutivo, cerca de 200 alunos, divididos de acordo com a idade, foram enquadrados em três categorias: Botinho, Moby Dick e Tubarão. O vice-presidente da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (Suderj), Oswaldo Dreux, falou sobre a expectativa de levar o projeto para as outras três instalações esportivas administradas pela pasta.

Leia também
Novos guarda-vidas se preparam para atuar nas praias do Rio

– O Corpo de Bombeiros é uma instituição que representa muito para toda a sociedade e repassa também valores de vida, importantes para a formação desses jovens e a interação familiar – disse Oswaldo.

Guilherme Carvalho, de 15 anos, é morador de São Gonçalo e contou que a experiência de participar do projeto foi uma grande influência para sua escolha profissional.

– Aprendi coisas que jamais imaginei que existiam em relação à prática no mar. Foi uma experiência fundamental na minha vida. Hoje, me sinto muito mais confiante para estar na água e decidi que é isso que quero seguir profissionalmente. Quero ser mergulhador profissional – afirmou Guilherme.

O espaço para as meninas também foi garantido e representado por Nathálya Navarro, de 16 anos, moradora de Itaboraí, que levou para a casa três medalhas de participação. A menina, que já era adepta da natação e da ginástica rítmica, falou sobre a mudança que sentiu após participar do projeto por dois anos seguidos.

“Uma amiga que já nadava e fazia ginástica comigo participava e me incentivou a entrar. Aqui, é como uma grande família. Agora, já penso em fazer um curso de especialização e a prova para oficial de bombeiro”, contou a jovem.

You may also like...